terça-feira, 1 de maio de 2007

VÔO SEM ASAS



Se livre te deixo
Corto-lhe as asas,
Não voas.
Se prendo-te
Dou-lhe asas,
Não voas.
Sem asas
Não podes voar.
Sem espaço
Não sabes voar.
Nas asas da
Imaginação,
Você pode e
Sabe voar,
Vem?

(Izabel Dias)

2 comentários:

Tadeu Paulo disse...

Poeta.. nasceste em meio a esse vôo onde eu já te esperava, porque vieste ao mundo da poesia por minha descoberta e pelas minhas mãos, o que muito me orgulha. E esse é um dos poemas que bem te identificam e já traz a tua assinatura, pelo teu inconfundível estilo: és criativa, és criadora, és deusa de um mundo muito particular de sonhos.
Beijos..

Silvânia Sávia disse...

Querida amiga poeta...
Que vôo lindo!
Você voa alto e longe nas asas da imaginação... Vôo de suavidade e liberdade, tão deliciosamente descritos... Simples, criativo e belo. Assim, como você... BELA!

Silvânia Barros.