domingo, 10 de junho de 2007

FURACÃO DE AMOR



Quando chegares,
não faças barulho.
Meus sonhos ainda dormem.
Vou deixá-los aqui,
nas nuvens onde estou.
Te levarei comigo,
no vôo à realidade.
Se acaso esbarrarmos
em nuvens carregadas,
faremos chover
"chuvas de letras”,
sua poesia, meu poema...
Deixe as asas na porta
do meu quarto,
Não te quero anjo aqui.
Sou louca, apaixonada,
um furacão de amor...
Não quero mais a prosa,
sou reverso do teu verso.
Meu cheiro é teu convite
ao puro êxtase do amor...
Estou à flor da pele...
Em seu toque sou desejo,
e te faço meu menino.
Serei apenas sua mulher...
Me derreto nos seus ais...
Viro luz entre os lençóis e,
num segundo, volto às nuvens,
a acordar os sonhos meus...

Izabel Dias
Publicado no Recanto das Letras em 25/05/2007 Código do texto: T501264

3 comentários:

Lucinha Araújo disse...

Que lindo poema Bel.
Sensível e doce poema.
Parabéns...
Bjos

Silvânia Sávia disse...

Querida amiga e grande poeta! Que maravilha de poema! És anjo, és poeta, és mulher ardente... A cada dia, Izabel, você se supera. E escreves com o coração, com a alma e com muita arte! Parabéns!

Tadeu Paulo disse...

Poema que tem a tua marca, a tua assinatura. É mais que a força da poeta, mais que a chama da mulher, mas todo esse poder da mulher-poeta excepcional em que você se transformou, brincando sério com a poesiae criando um fantástico clima de lirismo.
Parabéns, beijos..