sexta-feira, 1 de junho de 2007

SAUDADES DE MIM...




Indefinível saudade!
Saudades do que não fui?
Ou do que não vivi?
Saudades do que não sei...
Sinto saudades de mim!
Perdi as asas ao caminhar.
Sozinha, no caminho sem destino,
sento e choro de saudades dos
anos que se foram e me deixaram aqui.
Dormi demais. A vida me sedou.
Sou mulher com vontades de menina.
Sai do prumo, estou sem rumo,
não sei para onde vou...
O espelho me diz que
está tudo bem.
Ele mente.
Vou quebrá-lo.
Superstição?
Quebrarei também.
Ninguém consegue me ver
além de mim...
Espero que ao menos
alguém possa me ler
nas entrelinhas, reticências,
aquém de mim...
Não sou poesia,
Nem poema.
Sou apenas alguém,
com saudades de si...



Izabel Dias
Publicado no Recanto das Letras em 20/05/2007
Código do texto: T494472

3 comentários:

Reinaldo disse...

Oi Bel!
Está escrevendo muito, parabéns!!!
Vou te ler lá no recanto também, vc tem talento e uma sensibilidade natural. Abreijos

Tadeu Paulo disse...

Nada mais me espanta na sua capacidade de versejar. Manipula as palavras com uma facilidade só encontrada em grandes poetas. SAUDADES DE MIM, um marco de beleza que, graças a Deus, está exposto à visitação, ao olhar e ao sentimento dos que amam a arte de compor poemas..
Beijos..

Anônimo disse...

necessario verificar:)